Por que fazer um intercâmbio pode ser a melhor decisão da sua vida?


Acabei de retornar de um intercâmbio de três semanas em Toronto, Canadá. Ao colocar os pés no Brasil, bateu uma saudade imensa da viagem e uma vontade de escrever sobre ela.

Aproveitando então que as sensações e informações ainda estão quentes na memória, fiz este texto. Espero que gostem.

As diferenças do lazer e do intercâmbio


Diferente de passeios a lazer, participar de um intercâmbio te faz mergulhar completamente em outra cultura. Os roteiros turísticos rápidos são substituídos por uma imersão nos hábitos e nas pessoas a sua volta. Esta forma de viver o cenário muda o jeito como você entende e sente o país onde está, e pode impulsionar processos de aprendizado, como o de idiomas.

Minha viagem para Toronto é a segunda que faço neste estilo. Na primeira, eu tinha 19 anos e passei dois anos na Alemanha. Na época estava cursando a faculdade de Português e Alemão e achei que vivenciar o idioma germânico, complexo por natureza, poderia me ajudar a dominá-lo.

Vanessa em Berlim

Além dos conhecimentos da língua, tive a oportunidade de abrir meus horizontes, fazer amizades e conhecer mais coisas do mundo. As obrigações e as dificuldades se encaixaram com as descobertas de morar sozinha a mais de 9 mil quilômetros de distância. O resultado: domínio pleno de outro idioma e amadurecimento pessoal.

Para quem?


Não existem condicionais para fazer um intercâmbio. Qualquer idade, solitário ou acompanhado, a experiência será fantástica. É preciso apenas estar disposta a abrir o coração para outras formas de ver o mundo.

Alguns anos depois da Alemanha, foi a vez de Toronto. Desde o final daquela primeira viagem, sempre tive em mente a ideia de fazer outro intercâmbio, mas as obrigações da vida adulta adiaram um pouco os planos. Com a faculdade concluída, uni três fatos para, finalmente, concretizar meus objetivos: férias, necessidade de aprimorar o inglês e aquela vontade de conhecer novos lugares.

Combinação perfeita!

Vanessa em Toronto

Perguntas necessárias


Ao planejar uma viagem de estudo, pense em alguns itens:

● Qual o idioma que eu gostaria de aprender?

● Prefiro calor ou frio?

● Prefiro cidades grandes ou pequenas?

● Quanto eu gostaria de investir?

● Quanto tempo eu gostaria de ficar no destino?

Além de responder as perguntas é necessário procurar um profissional de confiança para auxiliar no planejamento da viagem, assim como uma escola que forneça uma boa estrutura e ensino. Existem inúmeras opções de intercâmbio no mercado, e o profissional qualificado poderá te auxiliar a achar a melhor opção de acordo como o seu perfil e as suas preferências.

Com esses cuidados você terá uma viagem inesquecível.

Vanessa na University of Toronto

Onde ir, onde ficar


Um dos aspectos que devem ser observados no momento da definir o destino é o custo do país desejado. Escolhi o Canadá exatamente por oferecer cursos e estruturas mais em conta.

Também pesou na escolha o processo para conseguir o visto. Para aqueles que moram em cidades menores, fica um pouco mais caro e complexo conseguir o documento. Às vezes, o correio resolve, em outras é preciso viajar até alguma cidade com consulado.

Vanessa na casa de família

Unificando economia e imersão (facilita o aprendizado de outros idiomas), optei pelo homestay, casas de família que oferecem alimentação e hospedagem. Seguras e mais baratas que hotéis, essas casas são ideais para adolescentes, pois nelas existem regras rígidas de convivência.

A melhor escola para você


Depois de escolher o país em que deseja estudar, procure pelas escolas que oferecem cursos que podem se encaixar em suas expectativas. O passo seguinte é bem importante: encontrar pessoas que já passaram por essas instituições.

Em meu caso, estudei em uma escola ótima. Todos os funcionários foram muito receptivos e as aulas eram de segunda a sexta, em cinco horas diárias. Além disso, uma regra muito rígida chamou a atenção: é proibido falar o idioma materno, sob risco de sofrer penalidades. O ritmo é puxado, mas o resultado empolgante: em três semanas de curso aprendi o que levaria seis meses em um curso tradicional.

Vanessa na escola de idiomas

Tenho certeza de que o intercâmbio é a melhor forma de unir várias coisas legais, aprender um novo idioma, conhecer uma nova cultura, experimentar novos sabores, fazer novas amizades, conhecer novos lugares.

Caso alguém me pedisse um conselho, eu diria: faça um intercâmbio, e prepare-se para viver a melhor experiência da sua vida!

See you! Bis bald!