Bubble chat

Como economizar com o controle de bilhetes não voados

Em outro post, discutimos alguns meios para economizar em viagens corporativas. Entre as formas possíveis para alcançar este objetivo, existe uma que passa ao largo da preocupação de muitas empresas: o controle de bilhetes não voados.

Para entender melhor como este controle funciona, comecemos do início. As três combinações mais comuns de ações relacionadas ao cancelamento, reemissão e multas são:

Para remissões:

  • O bilhete é cancelado antes da viagem. Se houver o desejo de fazer uma nova viagem, é preciso pagar a multa de reemissão.
  • O bilhete é cancelado depois da viagem (no show). Se houver o desejo de fazer uma nova viagem, é preciso pagar as multas de reemissão e de no show.

Para reembolso:

  • O bilhete é cancelado antes ou depois da viagem é não há mais desejo de viajar. Do valor total pago são deduzidas as multas (de no show e/ou de cancelamento) e o restante é reembolsado.

Perceba que, muitas vezes, sobram créditos para comprar novos bilhetes ou pedir reembolsos. Em grandes empresas com muitos viajantes, estes recursos podem ser vultosos o suficiente para impactar no setor de viagens corporativas.

Ferramentas

Antes de começar a fazer contas, faz-se necessário lembrar que o recurso restante de um bilhete não voado depende de suas características. Em alguns casos, como promoções, poderá ser mais barato comprar uma passagem nova, no lugar de reemitir.

Para fazer este controle com eficiência, recomendamos mais uma vez a utilização junto a uma agência de viagens corporativas de um Self Booking Tool. Com ela, é possível fazer, a cada compra, uma varredura dos bilhetes não voados e, se existentes, utilizar este crédito nas novas compras.

Além disso, o Self Booking permite elaborar relatórios dos bilhetes não voados. Por meio dele, são identificados créditos de viagens de ex-funcionários ou de colaboradores que não tem o costume de viajar. Nesses casos, o reembolso pode ser pedido.

Importante: o reembolso ou reemissão de passagens aéreas devem ser feitos em até um ano. Após este prazo, a validade expira e o crédito se perde.

Compartilhe este artigo